segunda-feira, 12 de março de 2012

A raposa

Um lenhador acordava às seis  horas da manhã, trabalhava o dia inteiro cortando lenha e só parava tarde da noite. Tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança.
Todos os dias, ia trabalhar e deixava a raposa cuidando de seu filho. Todas as noites, ao retornar do trabalho, a raposa ficava feliz com sua chegada.
Seus vizinhos, entretanto, alertavam-no de que a raposa era um bicho, um animal selvagem e, portanto, não era confiável. Quando sentisse fome, comeria a criança.
O lenhador respondia aos vizinhos que isso era uma grande bobagem. A raposa era sua amiga e jamais faria isso.
Os vizinhos insistiam com ele:
— Abra os olhos, a raposa vai comer seu filho! Quando sentir fome, comê-lo-á!
Um dia, o lenhador, muito exausto do trabalho e já cansado desses comentários, ao chegar a casa, viu a raposa sorrindo, como sempre, mas com a boca ensangüentada! Suou frio e, sem pensar duas vezes, acertou o machado na cabeça do animal.
Ao entrar no quarto, desesperado, encontrou seu filho no berço, dormindo tranqüilamente. Ao lado do berço, havia uma cobra morta!
O lenhador enterrou o machado e a raposa juntos.
Se confia em alguém, não importa o que os outros pensem a respeito dele. Siga seu caminho e não se deixe influenciar. Principalmente, nunca tome decisões precipitadas.

2 comentários:

  1. Um grande e triste lição.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Ana Cláudia Marques21 de março de 2012 15:01

    Linda, triste e sábia estória!!

    ResponderExcluir